Conselhos Federais das profissões regulamentadas realizam simpósio na capital cearense

Tamanho da Letra
O Fórum dos Conselhos Federais de Profissões Regulamentadas (Conselhão) realizou em Fortaleza, dias 3 e 4 de dezembro, o II Simpósio Nacional dos Conselhos Federais de Profissões Regulamentadas. O evento foi organizado pelos Conselhos Federais de Economia (COFECON) e de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) tendo igualmente contado com o apoio dos demais Conselhos Federais.

coffitoO Fórum dos Conselhos Federais de Profissões Regulamentadas (Conselhão) realizou em Fortaleza, dias 3 e 4 de dezembro, o II Simpósio Nacional dos Conselhos Federais de Profissões Regulamentadas. O evento foi organizado pelos Conselhos Federais de Economia (COFECON) e de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) tendo igualmente contado com o apoio dos demais Conselhos Federais.

Durante os dois dias em que o encontro foi realizado, temas como A Natureza Jurídica dos Conselhos de Fiscalização Profissional e sua Função Social; Exames de Suficiência e Proficiência - Avaliação Crítica além de Educação - Carga-Horária dos Cursos de Graduação foram debatidos por seus participantes.

No Simpósio, os Conselhos Federais de Contabilidade (CFC) e Medicina Veterinária (CFM), representados por Sudário de Aguiar Cunha (vice-presidente) e Benedito Dias de Oliveira Filho (presidente da Comissão de Ensino), respectivamente, narraram sua experiência relativa aos Exames de Suficiência e Proficiência como requisito para o exercício profissional. Ao final do encontro, os participantes do II Simpósio Nacional dos Conselhos Federais de Profissões Regulamentadas divulgaram a Carta de Fortaleza, na qual, entre outras colocações, declaram-se "favoráveis à ampliação de vagas para o ensino superior e técnico" e externam sua preocupação com a "profusão desordenada de cursos que comprometem a formação profissional, gerando prejuízos irreparáveis a toda a sociedade"

 Leia abaixo a íntegra do documento:

CARTA DE FORTALEZA

 Reunidos a 02 e 03 de dezembro de 2005, os Conselhos Federais das Profissões regulamentadas, debatendo temas de relevante interesse da sociedade, durante o II Simpósio Nacional, realizado na cidade de Fortaleza, reafirmam a importância de seus papéis institucionais de normatização e fiscalização do exercício profissional, que assegura à sociedade serviços profissionais de qualidade e exige formação profissional comprometida com justiça social, democracia e cidadania.

Os Conselhos Profissionais, criados por Leis, historicamente consolidados como sistema de fiscalização do exercício ético e profissional, atendem a realidade nacional, são mantidos sem qualquer subsídio estatal e sem ônus para a sociedade civil, com contribuições exclusivas oriundas dos profissionais e empresas registrados, com seus membros eleitos através de processos eleitorais democráticos.

Os participantes do II Simpósio, favoráveis à ampliação de vagas para o ensino superior e técnico, externam preocupação com a profusão desordenada de cursos que comprometem a formação profissional, gerando prejuízos irreparáveis a toda a sociedade, exigindo do Ministério da Educação - MEC utilizar critérios consistentes e de acordo com a demanda social.

 São repudiadas as políticas governamentais de redução da carga horária e de inadequação das estruturas curriculares nos cursos de graduação, por trazerem reflexos negativos à formação dos profissionais, lamentando-se a indiferença do Conselho Nacional de Educação às propostas apresentadas pelos Conselhos Profissionais. É imperativa a revisão dos critérios de avaliação de cursos utilizados pelo Ministério da Educação, implementando novo modelo que garanta a qualidade dos cursos no Brasil.

SIDNEY PASCOUTTO DA ROCHA

Coordenador

Conselho Federal de Economia

Escrito por Administrator