A EDUCAÇÃO FINANCEIRA E OS ECONOMISTAS

Tamanho da Letra

planejamentoO economista Lauro Chaves avalia a importância da Educação Financeira em um contexto de crise econômica.

 

Uma das regras fundamentais da Economia é que sempre haverá recursos escassos para necessidades ilimitadas, ou seja, que sempre existirá um orçamento limitado frente às demandas de consumo, poupança e investimentos. Essa regra é universal e vale para pessoas físicas, famílias, empresas e governos indistintamente.


Governos que desafiam essa lógica provocam recessão e inflação como o Brasil no Governo Dilma; ou a falência nos serviços públicos e a incapacidade de atender a sociedade como o Rio de Janeiro no Governo Sérgio Cabral.


Endividamento crescente, falta de capital de giro e redução das margens de lucro são algumas das consequências mais comuns para as empresas que não fazem a correta gestão do seu fluxo de caixa e orçamento.


Já os indivíduos e as famílias que desafiam a razão econômica mantendo um padrão de vida acima das suas receitas, não procurando flexibilizar o seu orçamento de acordo com a variação dos seus rendimentos ou não buscando cortar drasticamente as despesas em situações de desemprego, verão o seu endividamento crescer como uma bola de neve e terão de vender o seu patrimônio para cobrir o déficit.


Nesse contexto, cabe ao Economista exercer um papel preponderante na Educação Financeira das famílias, empresas e governos, desde o Planejamento até a execução e avaliação do Fluxo de Caixa e do Orçamento. Tarefas para as quais pode ser usado o simples, antigo e eficiente caderno de anotações, uma planilha excel ou algum dos inúmeros softwares existentes no mercado, lembrando que o SEBRAE disponibiliza, gratuitamente, o Software Marketup para os pequenos negócios.


A Educação Financeira deve ter início na educação dos filhos em casa, nas escolas, na capacitação de colaboradores das organizações em todas as áreas, desse modo consolidar-se-á como um dos principais eixos para o sucesso do empreendedorismo.


O Conselho Regional de Economia vem atuando fortemente na Educação Financeira, valendo-se de cartilhas, palestras e debates, como uma das vertentes de contribuição para a sociedade.


Mais do que planilhas ou softwares, a Educação Financeira depende de muita disciplina e determinação para o equilíbrio e a razão econômica, quer seja para investimentos em tempos de bonança ou para cortes em situações de crise.

 


 

Lauro Chaves Neto – Presidente do Conselho Regional de Economia, Consultor, Professor da UECE e Doutor em Desenvolvimento Regional.